• ESSA É A NOSSA SORVETERIA -Q 22 LT 49 S OESTE-GAMA
  • O NOSSO TEMPERO CONQUISTA
  • PRAÇA 02 Setor Sul Gama DF
  • SANTA MARIA NORTE AC 319

Estados Unidos e aliados trocam farpas com China; Ucrânia domina reunião de segurança na Ásia

sábado, 11 de junho de 2022

 


Ministros e delegados ouvem um discurso especial virtual do presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, no 19º Diálogo Shangri-La, em Cingapura, em 11 de junho de 2022. REUTERS/Caroline Chia.

“É nos campos de batalha da Ucrânia que as futuras regras deste mundo estão sendo decididas junto com os limites do possível”, disse Zelenskiy

Por Chen Lin /e Kanupriya Kapoor

CINGAPURA, 11 Jun (Reuters) – Os Estados Unidos e seus aliados trocaram farpas com a China na principal reunião de segurança da Ásia neste sábado, especialmente em Taiwan, mas a guerra na Ucrânia e um discurso remoto do presidente Volodymyr Zelenskiy dominaram os procedimentos.

O secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, disse anteriormente ao Diálogo Shangri-La em Cingapura que Washington fará sua parte para gerenciar as tensões com a China e evitar conflitos, embora Pequim esteja se tornando cada vez mais agressiva na região.

Zelenskiy, falando por videoconferência de um local não revelado na capital da Ucrânia, Kyiv, disse aos delegados que o apoio de suas nações era crucial não apenas para derrotar a invasão russa, mas para preservar a ordem baseada em regras. 

“É nos campos de batalha da Ucrânia que as futuras regras deste mundo estão sendo decididas junto com os limites do possível”, disse ele.

Ele observou que a Rússia está bloqueando os portos do Mar Negro e do Mar de Azov, impedindo as exportações de alimentos ucranianos do mercado mundial.

“Se … devido aos bloqueios russos não pudermos exportar nossos alimentos, o mundo enfrentará uma crise alimentar aguda e grave e fome em muitos países da Ásia e da África”, disse ele.

A China e os Estados Unidos, que entraram em conflito nos últimos meses sobre tudo, desde o histórico de direitos humanos de Taiwan e da China até sua atividade militar no Mar do Sul da China, estavam novamente em desacordo.

Austin e o ministro da Defesa chinês, Wei Fenghe, se reuniram na sexta-feira e reiteraram que querem administrar melhor seu relacionamento, mas não há sinal de qualquer avanço na resolução de diferenças.

Austin disse que os Estados Unidos continuarão a apoiar seus aliados, incluindo Taiwan.

“Isso é especialmente importante porque a RPC (República Popular da China) adota uma abordagem mais coercitiva e agressiva para suas reivindicações territoriais”, disse ele.

A China reivindica a autogovernada Taiwan como sua e prometeu tomá-la à força, se necessário.

Austin disse que houve um aumento “alarmante” no número de encontros inseguros e não profissionais entre aviões e navios chineses com os de outros países.

O primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida, discursa no jantar de abertura do 19º Diálogo Shangri-La em Cingapura, em 10 de junho de 2022. REUTERS/Caroline Chia

A Austrália disse que um caça chinês interceptou perigosamente um de seus aviões de vigilância militar na região do Mar da China Meridional em maio, e os militares do Canadá acusaram aviões de guerra chineses de assediar seus aviões de patrulha enquanto monitoram evasões de sanções da Coreia do Norte.

Taiwan reclama há anos de repetidas missões da força aérea chinesa em sua zona de identificação de defesa aérea, e Austin disse que essas incursões aumentaram nos últimos meses.

O tenente-general Zhang Zhenzhong, um oficial militar chinês sênior, chamou o discurso de Austin de “confronto”.

“Houve muitas acusações infundadas contra a China. Expressamos nossa forte insatisfação e firme oposição a essas falsas acusações”, disse Zhang, vice-chefe do departamento de estado-maior conjunto da Comissão Militar Central da China, a repórteres.

“Os Estados Unidos estão tentando formar um pequeno círculo na região da Ásia-Pacífico, amarrando alguns países para incitar outros países. Como devemos chamar isso além de confronto?”

O secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, fala na Primeira Sessão Plenária do 19º Diálogo Shangri-La em Cingapura, 11 de junho de 2022. REUTERS/Caroline Chia

REUNIÃO A PORTA FECHADA

No início deste ano, Washington disse que a China parecia pronta para ajudar a Rússia em sua guerra contra a Ucrânia.

Mas desde então, autoridades dos EUA disseram que, embora continuem cautelosos com o apoio de longa data da China à Rússia em geral, o apoio militar e econômico com o qual eles se preocupam não aconteceu, pelo menos por enquanto.

Ng Eng Hen, ministro da Defesa da anfitriã Cingapura, disse que os laços entre a China e a Rússia foram discutidos em uma reunião a portas fechadas dos ministros no sábado, e que vários delegados pediram a Pequim que fizesse mais para controlar Moscou.

O ministro da Defesa do Japão, um dos aliados mais próximos de Washington na Ásia, disse na reunião que a cooperação militar entre China e Rússia aumentou as preocupações de segurança na região.

“Operações militares conjuntas entre essas duas fortes potências militares, sem dúvida, aumentarão a preocupação entre outros países”, disse Nobuo Kishi na reunião de Cingapura.

A ministra da Defesa canadense, Anita Anand, também se manifestou contra a China.

“As interceptações chinesas de nossas (aeronaves) são muito preocupantes e pouco profissionais e precisamos garantir que a segurança de nossos pilotos não esteja em risco, especialmente quando eles estão simplesmente monitorando conforme exigido em missões sancionadas pela ONU”, Anand disse à Reuters em entrevista. 

Ministros e delegados ouvem um discurso especial virtual do presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, no 19º Diálogo Shangri-La, em Cingapura, em 11 de junho de 2022. REUTERS/Caroline Chia

A Nova Zelândia expressou preocupação com as tentativas chinesas de ganhar influência nas ilhas do Pacífico.

O ministro da Defesa australiano, Richard Marles, disse que é razoável esperar que a China deixe claro que não apoia a invasão de um país soberano em violação da Carta da ONU.

“O fato de a China não ter feito isso deve nos dar motivo de preocupação, especialmente devido aos investimentos que está fazendo em poder militar”, disse ele na reunião.

Siga o Agenda Capital no Instagram>https://www.instagram.com/agendacapitaloficial/

 
PASTOR RONNE DO GAMA DF © 2013 | Traduzido Por: Template Para Blogspot