• ESSA É A NOSSA SORVETERIA -Q 22 LT 49 S OESTE-GAMA
  • O NOSSO TEMPERO CONQUISTA
  • PRAÇA 02 Setor Sul Gama DF
  • SANTA MARIA NORTE AC 319

Café com Bolsonaro

quinta-feira, 2 de junho de 2022

 O encontro faz parte de um esforço de Bolsonaro, com apoio inclusive da primeira-dama Michelle, para aproximar sua imagem do eleitorado feminino

Foto: Marcello Casal Jr

A ex-ministra Flávia Arruda esteve nesta quarta-feira, 1º, no Palácio da Alvorada para um café da manhã da bancada feminina da Câmara com o presidente Jair Bolsonaro. Duas outras deputadas brasilienses, Celina Leão e Bia Kicis, também estiveram no café. O evento serviu também para medir a força do presidente entre as mulheres parlamentares: das 75 deputadas federais hoje no mandato, apareceram pelo menos 33. Também apareceu por lá a senadora piauiense Eliane Nogueira, suplente e mãe do ministro chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira. O encontro faz parte de um esforço de Bolsonaro, com apoio inclusive da primeira-dama Michelle, para aproximar sua imagem do eleitorado feminino, um dos segmentos em que o presidente está em inferioridade nas pesquisas.

Fogo amigo

Pouco antes do café, Flávia Arruda foi surpreendida por uma postagem que anunciava sua desistência de concorrer ao Senado. A manobra tem todo o jeito de ser o chamado “fogo amigo”. Apareceu em um site ostensivamente bolsonarista e afaga a também ex-ministra Damares Alves, que pretende disputar o mesmo cargo. O texto diz: “Urgente: Flávia Arruda desiste e deixa o caminho aberto para Damares concorrer ao Senado”. A ex-ministra denunciou a fake news e avisou que continua na candidatura: “seguimos firmes e fortes”.

Cidadania garante

Em meio à disputa com o senador Izalci Lucas sobre a chapa majoritária da federação PSDB-Cidadania no Distrito Federal, a deputada brasiliense reuniu-se com o presidente nacional do Cidadania, Roberto Freire. Obteve de Freire a garantia de que estará na chapa majoritária para as eleições da capital, sem definir qual o cargo que disputará. Freire chegou a gravar um vídeo dando essa garantia. Paula Belmonte é cotada para concorrer ao Senado ou a vice-governadora, sempre na chapa do senador José Antonio Reguffe, do União Brasil, e não de Izalci.

Placar

Na coluna de quarta-feira, 1º, a coluna informou que a decisão tomada pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal, condenando o senador brasiliense Izalci Lucas, fora tomada por 3 votos a zero. O placar real foi 2 votos a um. A informação é relevante porque a divisão de votos abre caminho para recurso do senador.

Candidatíssimo

O advogado Paulo Roque lançou na noite de quarta-feira, 1º, sua candidatura a senador pelo Partido Novo. O evento incluiu o anúncio das chapas do Novo para a Câmara dos Deputados e para a Câmara Legislativa. A chapa para o Buriti ficou em aberto, à espera do senador José Antonio Reguffe. Compareceram à festa os principais caciques do grupo partidário que, além do Novo, inclui Cidadania, União Brasil, Podemos e PSC.

Instituições de estado

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou nesta quarta-feira, 1º, emenda constitucional da senadora brasiliense Leila Barros que torna o INEP, o IBGE e o IPEA instituições permanentes de Estado. O objetivo é preservar as entidades, todas elas responsáveis pela produção das estatísticas nacionais, de ingerências políticas e descontinuidade administrativa. Agora o texto segue para análise do Plenário do Senado. O relator, senador Jorge Kajuru, incluiu o CNPq e a Capes no rol de entidades que também serão alçadas à condição de instituições de Estado. Para Leila, a emenda “impede que o governo Federal, independentemente de quem seja o presidente, caia na tentação de maquiar dados”.

Acenos ao PSOL

Candidato ao Buriti pela federação PT-PV-PCdoB, o distrital Leandro Grass vem fazendo crescentes acenos a outras legendas de esquerda. Aproveitou um incidente na Câmara dos Deputados para se solidarizar nesta quarta-feira, 1º, com dois deputados do PSOL que entraram em choque com o presidente da casa, Arthur Lira. Cumprimentou os deputados Glauber Braga e Samia Bomfim, em suas palavras, “por enfrentarem o autoritarismo do presidente da Câmara dos Deputados e denunciarem com vigor o capacho e projétil de fascista que usa do cargo para tentar calar os parlamentares”. Tudo começou quando Glauber tentou falar sobre uma medida provisória relativa a fertilizantes, mas Lira não lhe deu a palavra. Os dois se insultaram, Lira ameaçou tirar Glauber do plenário à força e a líder do PSOL, Samia, deu apoio ao deputado, que é seu marido.

Ampliar a frente

Grass tem mantido contato com várias outras legendas, preferencialmente as que, no plano nacional, apoiam a candidatura presidencial de Lula. Encontrou-se várias vezes com dirigentes do PSB, inclusive o pré-candidato do partido a governador, Rafael Parente.

Sumiço

Ganha uma caixa de bombons Sonho de Valsa quem conseguir conversar com o novo presidente do Solidariedade no Distrito Federal, o deputado goiano Lucas Vergílio. Indicado para a direção regional pelo presidente nacional Paulinho da Força, Lucas Vergilio é também o líder do SD na Câmara. Com muitos vínculos no Entorno do Distrito Federal, o deputado goiano usou esses contatos para formar chapas às eleições majoritárias, com novas filiações. Vergilio substitui o ex-senador Hélio José, que havia manifestado apoio ao grupo político do senador Reguffe e da deputada Paula Belmonte. Essa postura foi revista pelo novo presidente, que retirou essa possibilidade de aliança. Com a súbita mudança, o SD passou a ser procurado por outras correntes políticas, que esbarram, porém, na dificuldade de acesso a Lucas Vergilio.

Complicações

Antes controlado pelo ex-deputado Augusto Carvalho, o SD brasiliense enfrenta dificuldades há mais de um ano. A executiva regional foi controlada por meses pelo deputado brasiliense Israel Batista, que indicou Glauco Rojas para a presidência. No entanto, vendo que a fraqueza da chapa dificultava sua reeleição, Israel desistiu do partido e se filiou ao PSB. De lá para cá o SD já mudou duas vezes sua cúpula.

Impeachment na mira

Sinal de alarme: o avanço silencioso de comissão formada para rever a Lei do Impeachment de presidente da República e de ministros do Supremo Tribunal Federal foi denunciado pelo senador amazonense Plínio Valério. O senador mostrou que a comissão foi criada justamente no momento em que se avolumam no Senado pedidos de impeachment de ministros do STF por abuso de poder. Plínio explicou que a Constituição é claríssima nos dispositivos que conferem ao Senado a competência privativa para processar e julgar autoridades e, não tendo como alterá-la, os alvos dos pedidos de impeachment no STF agora tentam mexer na legislação infraconstitucional para manter a impunidade. O senador mostrou que é um ministro do STF, no caso Ricardo Lewandowski, que comanda a revisão da Lei do Impeachment, o que é inconstitucional. “O que se pretende, portanto, é uma revisão dessa lei, o que pode cortar pela raiz qualquer tentativa de se abrir essa caixa-preta da cúpula do Judiciário”, advertiu Plínio.

Taguatinga faz anos

O distrital Reginaldo Veras organiza uma sessão da Câmara Legislativa destinada a comemorar os 64 anos de Taguatinga. Veras lembra que “Taguatinga é pioneira, como a primeira cidade do Distrito Federal criada oficialmente para acabar com os aglomerados urbanos que se formavam na área de Brasília”. Assim, na sexta-feira, 3, às 10h, a Câmara Legislativa quer reunir comunidade e personagens emblemáticos que constroem a história da região administrativa.

https://jornaldebrasilia.com.br/

 
PASTOR RONNE DO GAMA DF © 2013 | Traduzido Por: Template Para Blogspot