• ESSA É A NOSSA SORVETERIA -Q 22 LT 49 S OESTE-GAMA
  • O NOSSO TEMPERO CONQUISTA
  • PRAÇA 02 Setor Sul Gama DF
  • SANTA MARIA NORTE AC 319

COM VOCÊ / NOSSO GAMA

Dias antes de ser morta, Jessyka compartilhou fotos de marcas de agressões

segunda-feira, 7 de maio de 2018
Dias antes de ser morta, Jessyka compartilhou fotos de marcas de agressões
Reprodução

Em áudio enviado a uma amiga, a jovem detalhou casos de abusos sofrido pelo ex-namorado

 dias antes de ser assassinada a tiros pelo ex-namorado, o policial militar Ronan Menezes do Rego, Jéssyka Laynara da Silva Souza, de 25 anos, compartilhou com uma amiga fotos das marcas das agressões sofrida pelo PM.
Em áudio, a jovem relatou que Ronan a procurava sempre. “Todos os dias ele fala comigo, me pressionando, dizendo que quer voltar. Ele sabia que ontem era dia de ir para a igreja, então ele foi até a casa da minha avó e disse que iria me acompanhar. Não pude falar nada, pois a minha avó não sabe, a minha família não sabe”.
Jessyka revelou que não conseguia tratá-lo mal. “Acho que eu tenho um coração muito bom, pois não consigo nem sentir raiva dele. Eu não consigo sentir nada, amiga”, desabafou.
A jovem contou também que não pretendia denunciá-lo. “O pai dele falou que eu sou muito omissa, mas eu falei que não quero denunciar, não quero ir na delegacia e não quero ir no hospital, porque eles vão saber o que aconteceu. Eu não quero prejudicá-lo”, ponderou.
Ao longos dos, pouco mais de 3 minutos de áudio, Jessyka disse que tinha medo de ficar sozinha com o ex-namorado. “Não tenho coragem de ficar sozinha com ele nunca mais. A única coisa que eu conseguia fazer domingo era agradecer por estar viva. Ele ainda disparou um tiro. Eu fechei o olho e pensei: ‘agora eu vou morrer. É muito amedrontante a situação. Muito amedrontante”, relembrou.
Ela ainda ponderou e disse que não conseguiria mais reatar o relacionamento. “Não tem mais salvação. Mesmo ele falando que agiu de cabeça quente, eu não iria conseguir perdoá-lo. Ele falava que ia dormir e saía de casa e pegar e fazer isso comigo?! Acho muito injusto.”
Jessyka ainda revelou ter sentido muita dor. “Eu não conseguia nem andar domingo. Eu estava sentindo tantar dor no estômago, levei tanto murro, chutes na perna. Minhas pernas estão todas verdes. Minhas pernas, minha costela, minhas costas. Eu estou toda verde, toda manchada. Eu não conseguia nem mastigar de tanta dor que sentia na mandibula”, revelou.
“Em momento algum eu levantei a mão para ele, a única coisa que eu fazia era tentar segurar a mão dele. Eu não tentei revidar em nenhum momento, pois eu sabia que poderia piorar a situação”, concluiu.
Relembre o caso
Um crime chocou moradores de Ceilândia, na tarde desta sexta-feira (4). Um soldado da Polícia Militar matou a ex-namorada com cinco tiros, por volta das 14h, na QNO 15. Jéssica Lainara Silva, de 25 anos, morreu ainda no local.
Após o crime, o militar seguiu para uma academia na EQNO 2/4, onde efetuou três disparos contra um professor. A vítima, identificada como Pedro Henrique da Silva Torres, de 29 anos, foi atingido no peito, na mão e na perna.
O professor foi socorrido e encaminhado ao Hospital Regional de Ceilândia, mas não resistiu aos ferimentos. O autor, Ronan Menezes, lotado no Grupo Tático Operacional (GTop) do 10º Batalhão de Ceilândia, está foragido.
Nas redes sociais, familiares de Jéssica expõe a indignação. “Esse desgraçado, doente, acabou de assassinar minha prima aqui no Setor O. O maldito destruiu nossa família e fugiu. Ele disse que, por causa da farda, não ficaria preso”, disse Leonardo Silva.                       http://www.jornaldebrasilia.com.br
 
BLOG DO PASTOR RONNE © 2013 | Traduzido Por: Template Para Blogspot