• ESSA É A NOSSA SORVETERIA -Q 22 LT 49 S OESTE-GAMA
  • O NOSSO TEMPERO CONQUISTA
  • PRAÇA 02 Setor Sul Gama DF
  • SANTA MARIA NORTE AC 319

Bem Informado Ninguém é Enganado

Bem Informado Ninguém é Enganado

Mais de dois anos depois, nenhum dos alvos da Operação Trick foi denunciado

quarta-feira, 14 de junho de 2017
FOTO: REPRODUÇÃO
Em abril de 2015, a Polícia Civil do Distrito Federal deflagrou a Operação Trick, que investiga um esquema suspeito de aplicar golpe milionário no Banco do Brasil, mas até hoje nenhum dos alvos foi denunciado à Justiça.
Entre os investigados estão a deputada distrital Telma Rufino (sem partido) e o ex-diretor do DFTrans, Marco Antônio Campanella. De acordo com as investigações, Rufino e Campanella são, junto com o gerente de uma agência do Banco do Brasil alvo do esquema, os principais líderes da organização criminosa.
O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) dividiu a investigação em duas frentes: Uma na Vice-Procuradoria e Justiça do MPDFT, que trata da deputada Telma Rufino e outra no Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), onde são investigadas as pessoas sem foro privilegiado. “As investigações prosseguem com vistas à apuração dos fatos. Não foi apresentada denúncia ainda”, informou o Ministério Público em nota.
Procurado pela reportagem, Campanella disse que espera a conclusão mais rápida possível do inquérito por ter “convicção da sua inocência”. O presidente do PPL/DF acredita que virou alvo da investigação devido a uma série de ligações telefônicas que fez à época com um do envolvidos. Mas, de acordo com Campanella, o único assunto foi apoio político.
Já a assessoria da deputada Telma Rufino informou que a parlamentar tem contribuído desde o início com as investigações para provar que não tem participação no esquema.
A fraude
Os mentores do grupo criavam empresas fantasmas para obter empréstimos no Banco do Brasil. Os valores de cada operação variavam entre R$ 800 mil e R$ 1,4 milhão. Depois, para lavar o dinheiro e colocá-lo em circulação, os investigados forjavam compras em outras empresas fantasmas que faziam parte do esquema.
Como os empréstimos não eram pagos, o prejuízo estimado varia entre R$ 70 e R$ 100 milhões.
Da redação do Alô
 
NOSSOGAMA.COM.BR © 2013 | Traduzido Por: Template Para Blogspot