• ESSA É A NOSSA SORVETERIA -Q 22 LT 49 S OESTE-GAMA
  • O NOSSO TEMPERO CONQUISTA
  • PRAÇA 02 Setor Sul Gama DF
  • SANTA MARIA NORTE AC 319

Bem Informado Ninguém é Enganado

Bem Informado Ninguém é Enganado

ONS e OFFs Por Celson Bianchi (01/10)

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Por onde anda?

Pedro Passos é empresário e fazendeiro. Começou a vida profissional trabalhando no Banco do Brasil. Foi também deputado distrital por dois mandatos. Em 2002, teve 10.590 votos pelo PSD. Na eleição seguinte, obteve 20.431, desta vez pelo PMDB. Logo no início da carreira política, foi denunciado por grilagem de terra. O processo ainda tramita nos tribunais. Pedro Passos foi ainda secretário de Agricultura na gestão de Joaquim Roriz. Entre os trabalhos desenvolvidos no Executivo do DF estão a criação do programa de incentivo à produção de linhas de crédito para plantio e colheita, o estímulo à recuperação de estradas vicinais e o fomento à compra de máquinas agrícolas da secretaria, a aquisição de grande número de tratores para atender os produtores e o encorajamento ao aumento da produção agropecuária em toda a capital federal. Passos também instituiu programas de apoio ao pequeno e médio produtor, impulsionando o uso de novas tecnologias de manejo e produção, elevando a produtividade e auxiliando o desenvolvimento do exercício das suas atividades. A carreira na política foi interrompida em 2007, quando foi preso pela Polícia Federal na operação Navalha, que apurava desvios de recursos públicos em obras da empreiteira Gautama. Após surgirem gravações em que o então distrital supostamente exigia propina do dono da construtora, Pedro Passos renunciou ao mandato. Hoje, cuida de negócios nas áreas da agropecuária e imobiliária.
Reprodução da Internet
Lupa
Uma representação do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas do DF aponta supostas irregularidades na gestão do Fundo de Assistência aos Servidores da Câmara Legislativa, o Fascal. O procurador Demóstenes Tres Albuquerque lista no documento problemas como a ausência de regularização das dívidas de ex-associados e a inexistência de adoção de medidas tempestivas – administrativas e judiciais – cabíveis para assegurar a recuperação dos valores devidos.
Lupa 2
Numa outra representação, o Ministério Público pede aos conselheiros do Tribunal de Contas que determinem ao Governo do Distrito Federal e ao Corpo de Bombeiros que se abstenham de efetivar promoções de militares alusivas ao curso de formação de 2008, suspendendo os atos praticados até a apuração de suposta preterição. Tais informações foram obtidas por meio de inquérito policial militar.
Viajando
A secretária de Planejamento, Leany Lemos, está em Campo Grande. Fica até amanhã (2) na capital mato-grossense, para participar de mais uma edição do Fórum de Governadores do Brasil Central. A passagem aérea e três diárias foram pagas pelo GDF. O consultor jurídico-adjunto do governo, Leandro Zannoni, também participa do evento.
Rebuliço
Diante da decisão do governo de transferir a gestão de alas e de serviços pediátricos do Hospital de Base para a Instituto do Câncer Infantil e Pediatria Especializada (Icipe), que administra o Hospital da Criança, o ex-secretário de Saúde, Rafael Barbosa, reagiu nas redes sociais. “O contrato da Icipe com a SES, assinado por mim, diz respeito apenas ao Hospital da Criança. A atuação em outras unidades terá que ser submetida a todos os procedimentos legais, entre os quais, aprovação do Conselho de Saúde, processo de chamamento público e pareceres da Procuradoria e do TCDF”, escreveu Barbosa, que também alfinetou os órgãos de fiscalização: “Esperamos um posicionamento do nosso vigoroso Ministério Público”.
Tempo fechado
A escolha do novo Corregedor da Câmara Legislativa abriu uma cisão dentro do PMDB. O distrital Robério Negreiros declarou independência do bloco liderado por seu correligionário, Wellington Luiz. Os dois bateram boca no plenário. A discussão começou quando Robério Negreiros reclamou por não ter sido consultado sobre a indicação, por parte de seu bloco, de um nome para concorrer à Corregedoria.
Tempo fechado 2
Contrariado com o questionamento, Wellington Luiz acusou seu colega de não ter participado da reunião da liderança, onde tinham ocorrido todos os acordos. Em sua tréplica, Robério sustentou que a reunião era dever do líder, assim como informar ao restante do bloco sobre as respectivas decisões do colegiado. Wellington chegou a “abrir a porta de saída” do bloco para os “incomodados”. “Se não gostar, pegue a mala e vá embora”, sugeriu ao deputado Negreiros. Este rebateu: “Se tiver que pegar a mala, tem que ser o líder”, disparou.
Bem com a base
O aumento de impostos também pode render dividendos junto ao eleitorado. Caso do distrital Rodrigo Delmasso (PTN), que comemorou a aprovação de emenda de autoria dele que reajusta a alíquota do ICMS de bebidas alcoólicas de 25% para 29% e de 25% para 35% sobre tabacaria. O deputado saiu do Plenário feliz da vida, pedindo para que a base, maior parte evangélica, tivesse conhecimento do feito.
Reflexão do dia
O governo diz que não tem dinheiro, agora imagine os servidores. Como pagar as contas com salário defasado? É por isso que não abriremos mão de nosso reajuste, que é lei. Se ele for descumprido, nossa greve é certa.” Marli Rodrigues - presidente do SindSaude.
Divulgação
Para finalizar: A Secretaria de Saúde registrou 10,5 mil atendimentos às vítimas de violência nos últimos cinco anos. Ceilândia lidera o ranking com o maior número de casos: 11,9%. Em seguida aparece o Gama, com 8,5% e Samambaia, com 7,8%.
 
NOSSOGAMA.COM.BR © 2013 | Traduzido Por: Template Para Blogspot