• ESSA É A NOSSA SORVETERIA -Q 22 LT 49 S OESTE-GAMA
  • O NOSSO TEMPERO CONQUISTA
  • PRAÇA 02 Setor Sul Gama DF
  • SANTA MARIA NORTE AC 319

Bem Informado Ninguém é Enganado

Bem Informado Ninguém é Enganado

Distrital Chico Leite sai do PT e assina termo de filiação à Rede

domingo, 27 de setembro de 2015


Mudanças foram protocoladas nesta sexta; partido foi registrado há 3 dias.
PT tinha cinco representantes na Casa; outros distritais estudam mudança.

Do G1 DF
Deputado distrital Chico Leite (PT) em sessão do projeto Câmara em Movimento, em Planaltina (Foto: Chico Leite/Divulgação)Deputado distrital Chico Leite (PT) em sessão do projeto Câmara em Movimento, em Planaltina (Foto: Chico Leite/Divulgação)
O deputado distrital Chico Leite entregou carta de desfiliação ao PT nesta sexta-feira (25) e preencheu ficha de filiação ao partido Rede Sustentabilidade, registrado pelo Tribunal Superior na última terça (22). Com a mudança, Leite deve ser o primeiro político da nova legenda com mandato vigente no DF.
A informação foi confirmada ao G1 pela assessoria parlamentar do político. A reportagem tentou contato direto com Chico Leite, mas não conseguiu retorno até a publicação desta reportagem.
Com a mudança, o PT volta a ter quatro representantes na Câmara Legislativa do DF. A bancada tinha sido ampliada no início do mês, com a posse de Claudio Abrantes na vaga do ex-deputado Dr. Michel (PP).
‘Saída anunciada’
Líder do PT na Câmara Legislativa, Chico Vigilante afirma que a mudança do ex-correligionário já era esperada desde o início do ano. Segundo ele, a troca dependia apenas da confirmação da Rede Sustentabilidade como partido político.
“Ele dizia que ia sair desde que foi eleito. Para não sair, ele colocou condições que o partido não poderia atender. Queria garantia de candidatura ao GDF ou ao Senado, em 2018, mas o PT não tem essa prática de garantir. Possivelmente, a Rede deu mais certezas para ele”, diz Vigilante.
O petista afirma que vai recomendar ao partido que não peça a devolução do mandato. Resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determina que a criação de uma legenda nova é cláusula justa para migração de políticos, desde que ocorra em até 30 dias após o registro. Neste prazo, a mudança de sigla não representa infidelidade partidária.

Fonte: G1
 
NOSSOGAMA.COM.BR © 2013 | Traduzido Por: Template Para Blogspot